sexta-feira, 12 de outubro de 2018

Resenha – Taiga – Cosmos (Satanath Records) (2017)




A Melancolia, a misantropia, a nostalgia contidas nesse opus são gélidas, aterrorizantes, únicas. Que belas melodias de guitarra e teclado, associadas a todo o desespero e insanidade dos vocais, bateria soa extremamente bem, uma excelente sonorização do timbre da bateria durante as gravações.



Muitas partes de vocal limpo e “faladas” dão um toque poético e misterioso a esse grande álbum.
Para fãs de Graveland, Nocturnal Depression, Mütiilation, Moonblood, Nargaroth, Nokturnal Mortum, Vlad Tepes e outros grandes nomes do black metal mundial.
Ouvir esse álbum observando a natureza ou numa bela noite é muito recomendável.
Adquira esse e outros grandes materiais do underground mundial, através do site da Satanath Records:


terça-feira, 2 de outubro de 2018

Resenha – Kashgar – Kashgar (2016) (Satanath Records)




Grande banda de metal extremo com elementos folk diretamente do Quirguistão, é como uma viagem no tempo,existe toda uma atmosfera épica, gloriosa, oriental, além do tempo em sua majestosa musicalidade.
As guitarras pesadas e certeiras são destaque, carregando também uma grande quantidade de criatividade e harmonia, a bateria muito competente e precisa.



Baixo em muitos momentos lembrando baixo de bandas como Iron Maiden, Black Sabbath, Mercyful Fate, mantendo a tradição e a essência do metal clássico.
Os vocais são como de bandas clássicas do Black Metal dos anos 90 como Rotting Christ, Mortuary Drape, Impaled Nazarene, Marduk, entre outras.
A banda detém muitas influências musicais, nisso faz com que a banda tenha um som muito próprio, é uma grande surpresa essa banda vinda desse país tão inesperado.
Adquira já esse e outros grandes materiais do underground mundial, através do site da Satanath Records:


quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Resenha – Nadir – The Sixth Extinction (Satanath Records) (2017)




Nadir é uma banda húngara que faz um Death Metal mais moderno, que em muitos momentos pode ser denominado do que se tem chamado na última década de “Deathcore”.  Som polido, muito bem produzido, insanamente pesado, técnico e muito criativo.

Algumas passagens lentas dão uma melodia e harmonias muito interessantes, o álbum surpreenderá o ouvinte várias vezes durante sua audição, sugiro até que se escute mais vezes numa mesma semana para assimila-lo melhor.



As letras são reflexivas, muito inteligentes e questionadoras sobre vários aspectos da existência humana.

Adquira já o seu, através do site da Satanath Records:



terça-feira, 4 de setembro de 2018

Resenha – Solfernus – Neoantichrist (Satanath Records) (2017)



Black Metal ríspido, direto, sem modismos diretamente da República Tcheca na linha grandes hordas dos anos 90 Impaled Nazarene, Absu, Enthroned, Ancient Rites.

A gravação é muito bem feita, profissional, primeira classe, clássico e moderno, tem uma linha musical definida, porém com muita personalidade própria.

As melodias sombrias e macabras marcam presença nesse glorioso opus, vocais rasgados e insanos dão a direção tenebrosa dessa grande sinfonia maléfica.

Com certeza um dos melhores álbuns do Black Metal europeu lançados no ano de 2017.

Adquira já esse e outros grandes materiais do underground mundial, através do site da Satanath Records:


sexta-feira, 31 de agosto de 2018

Resenha – Enoquian – Llamas De Gloria Primera (2017) (Satanath Records)




 

Grande horda de black metal argentina, fazendo uma sonoridade primitiva, crua e infernal, como era feito nos primórdios do estilo nos anos 80/90, com influência clara também do metal brasileiro dos anos 90 como Vulcano e Sarcófago.

 

A atmosfera demoníaca, odiosa e ríspida desse opus é magnânima, é uma verdade experiência satânica, é uma viagem no tempo e além do espaço/tempo, as influências de hordas escandinavas como Darkthrone, Immortal, Gorgoroth e Marduk também marcam presença em sua profana musicalidade.

 

Uma grande saudação as grandes hordas do metal negro sul americano, que a chama negra continue acesa em nossas terras.


Extremamente recomendável, adquira já a sua cópia e de outros grandes artefatos do metal underground mundial, através do site da Satanath Records:

http://www.satanath.com/


segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Resenha – Tyakrah – Wintergedanken (2017) (Satanath Records)


Grande horda alemã, com sua sonoridade gélida, depressiva, crua... Influenciada por grandes hordas dos anos 90 como: Darkthrone, Gorgoroth, Nargaroth, Graveland, Judas Iscariot, Immortal.

Todo o sentimento, toda a melancolia registrada nessa obra, são magníficos, são esplendorosos, harmonias de guitarra que dão todo o toque melódico e marcante deste negro artefato germânico.



A gravação é exatamente o que esse tipo de sonoridade, de intenção musical pede, black metal épico, congelante, atmosférico, recomendável para aqueles que sabem que o espírito underground do black metal dos anos 90 não morreu e nem nunca morrerá.

Adquira esse e outros grandes materiais do underground mundial, através do site da Satanath Records:


terça-feira, 7 de agosto de 2018

Resenha Hak-Ed Damm – Holocaust Over Dresden (2017) (Satanath Records)




Grande horda de Black Metal canadense fortemente influenciada por bandas europeias de black metal dos anos 90 como Dark Funeral, Marduk, Setherial, Enthroned, os vocais tem aquele ódio, desespero típico dos vocais do Dark Funeral dos anos 90, a temática da banda já é mais voltada para temas sobre guerra e história.

A parte instrumental mais influenciada pela fase “Panzer Division Marduk” do Marduk e “Armoured Bestial Hell” do Enthroned, bateria muito insana e brutal.



Black Metal extremo, com personalidade, profissionalismo, ótima qualidade de gravação, sem comprometer a atmosfera que o estilo necessita pra se manter “obscuro” sonoramente.

Recomendadíssimo, foi uma grande surpresa em se tratando de black metal, um dos melhores álbuns que ouvi nos últimos anos.

Adquira esse e outros grandes materiais do underground mundial, através do site da Satanath Records:

http://www.satanath.com/

terça-feira, 24 de julho de 2018

Resenha – Evil Nerfal – Bellum Est Pater Omnium (2018) (Satanath Records).




Black Metal visceral, ríspido, diretamente da Colômbia, influenciados por bandas como Belphegor, Enthroned, Impaled Nazarene, Marduk, Setherial, Dark Funeral, Arkhon Infaustus, derramam todo o ódio contra o cristianismo em 10 hinos satânicos.

Solos de guitarra muito bem elaborados, melodiosos, calcados em influências do metal clássico dos anos 80, vocais rasgados muito competentes, bateria insana, baixo faz o acompanhamento necessário da escuridão sonora.



Material muito recomendado pra quem sente a nostalgia da época de ouro do black metal dos anos 90, onde o black metal era muito mais autêntico, sincero, obscuro, odioso do que nos dias atuais.

Adquira esse e outros grandes materiais do underground mundial, através do site da Satanath Records:



sexta-feira, 20 de julho de 2018

Resenha – Bestialord – Law of the Burning (Satanath Records) (2018)




Prepare seu pescoço para o som porrada que o Bestialord produz nesse grande álbum, uma eficiente mistura de Death/Thrash/Doom metal durante a execução deste material.

A gravação é mais típica das gravações do metal dos anos 80, o que eu sempre acho muito bom, acho as gravações dos anos 80/90 muito mais orgânicas, empolgantes e eficazes do que as produções modernas.


Existe toda uma atmosfera mais dark e macabra nesse registro, as guitarras são bem pesadas, os vocais rasgados com muita personalidade, baixo e bateria deixam o álbum mais sólido, refrões que ficarão na sua mente e te obrigarão a ouvir esse cd mais vezes.

Adquira esse e outros grandes materiais do metal underground através do site da Satanath Records:

http://www.satanath.com/

sexta-feira, 13 de julho de 2018

Resenha – Manipulation – The Future of Immortality (Satanath Records) (2017)



Alguns álbuns ditam os novos rumos que determinados estilos musicais tomarão a partir daquele momento, acredito que esse material “The Future of Immortality” carrega essa missão, de trazer novos elementos, produção moderna, técnica musical muito apurada, são alguns dos elementos que criam a monumentalidade sonora da banda Manipulation.

O som futurista não é apenas na musicalidade, mas também em seu conceito lírico traz uma considerável, empolgante e cativante perspectiva do momento atual, do passado e do futuro da humanidade, da mente humana, da ciência, dos paradigmas psicológicos.



O álbum tem tudo para ser um clássico dessa década, que será sem sombra de dúvidas uma forte referência no futuro para o estilo, mantendo a tradição do estilo, mas com olhos atentos para o futuro, um clássico contemporâneo com certeza.

Adquira esse e outros grandes materiais do underground mundial, através do site da Satanath Records:

http://www.satanath.com/

quinta-feira, 28 de junho de 2018

Resenha – Aksaya – Kepler (Satanath Records) (2016)




Eu costumo dizer que “Apenas a experiência pode explicar a experiência”, é assim que funciona a audição, a viagem sonora que é o Kepler da banda Aksaya, que é um death/black metal francês que mantém a tradição do estilo, mas traz uma gama de possibilidades sonoras mais modernas, é uma verdadeira viagem em outros planos, em outras dimensões, é uma experiência espiritual na escuridão.

Existem diversos climas, atmosferas, harmonias originais e diferenciadas nos aspectos sonoros, melódicos e caóticos da musicalidade artística dessa grande banda, muita criatividade, simplicidade, complexidade, ousadia, tradição, por incrível que pareça convivendo pacificamente no mesmo ambiente sonoro.



As afinações mais baixas, típicas de guitarras de 7 cordas, que na minha opinião são a melhor invenção da história do metal, elas dão o peso descomunal que é encontrado em algumas faixas mais modernas e futuristas, os teclados são a cor, o formato, a coluna vertebral da musicalidade, embora eles não estejam presentes o tempo todo, vocais rasgados influenciados pelas bandas de black metal escandinavas, bateria e baixo são de extrema competência, tudo muito acima da média, assim como é a belíssima capa, e suas letras em francês.

Um dos candidatos a melhor álbum lançado no ano de 2016, extremamente recomendável, beira a perfeição.

Adquira esse e outros grandes materiais do underground mundial, através do site da Satanath Records:


quarta-feira, 27 de junho de 2018

Resenha – Dark Phantom – Nation of Dogs (Satanath Records) (2016)




Banda cheia de sangue nos olhos no seu death/thrash metal visceral, odioso, desesperado, fora de controle, mas com muita ambição e profissionalismo na produção.

Os riffs de guitarra são mais calcados no Thrash Metal, em muitas partes com melodias de heavy metal tradicional que lembra muitas coisas de bandas como o Judas Priest, e solos com influência do Iron Maiden, Yngwie Malmsteen, Scorpions, entre outros grandes mestres dos primórdios do metal, mas o vocal é absurdamente gutural para fãs de Malevolent Creation, Monstrosity, Vader, os trabalhos de guitarra são um dos maiores destaques desse opus.



As influências musicais do oriente médio também marcam presença por aqui, fato curioso a banda ser do Iraque, uma agradável surpresa musical vinda do oriente médio, cada vez mais bandas vem surpreendendo nossos ouvidos ocidentais, os vocais limpos no estilo Nevermore deixam a cara oriental do álbum mais evidente.

Adquira esse e outros grandes materiais do underground mundial, através do site da Satanath Records:


sexta-feira, 22 de junho de 2018

Resenha – Suffer Yourself – Ectoplasm (2016) (Satanath Records)




Grande banda de Funeral Doom/Death Metal, com muito peso nas guitarras, baixo e bateria ritmando a escuridão sonora, belíssimos vocais femininos líricos para apreciadores de sopranos, vocais guturais e rasgados marcam presença nessa obra soturna.

As músicas são belíssimas peças para se cultuar a noite, a misantropia, a escuridão, a solidão, será um grande clássico no futuro esse álbum, com certeza, se tivesse saído nos anos 90, hoje seria uma clássico da história do Doom Metal.



As letras são poéticas e de muito bom gosto, toda a produção musical é maravilhosa, toda a harmonia, ritmo, melodias desse grande artefato obscuro vindo diretamente do Leste Europeu, da grande Polônia.

Adquira esse e outros grandes materiais do underground mundial, através do site da Satanath Records:


segunda-feira, 18 de junho de 2018

Resenha NordWitch - Mørk profeti (Satanath Records) (2016)




NordWicth é uma banda que faz um Death/Black Metal muito preciso, eficaz, eficiente, muito bem composto, tocado e produzido, e com grande influência do Metal dos anos 80 nas guitarras de bandas como Metallica, Queensryche, Iron Maiden, Judas Priest e Yngwie Malmsteen, muitas melodias marcantes, esse cd você vai querer ouvir muitas e muitas vezes.

Vocais rasgados dão uma cara quase de death metal melódico ao material, baixo e bateria dão o peso necessário enquanto as guitarras, teclados e vocais dão a atmosfera e atmosfera.



Para fãs de bandas de black metal escandinavas como Bewitched, Nifelheim, Aura Noir, que tem muitos elementos do metal oitentista em sua sonoridade.

Banda que já começa com um material muito, mais muito acima da média em termos de produção, talento, composição e produção musical, com certeza será um grande nome do metal europeu nos próximos anos.

Adquira esse e outros grandes materiais do underground mundial, através do site da Satanath Records:

http://www.satanath.com/

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Resenha – Dig Me no Grave – From Past Aeons (2011) (Satanath Records)




Com certeza o Dig me no Grave é uma das melhores bandas de death metal surgidas no mundo nos últimos 10 anos, a combinação entre letras bem feitas lovecraftianas e o peso e a brutalidade do death metal, sempre é bem vinda.

Os riffs são muito cativantes, pesados, sólidos, as guitarras e os vocais guturais se destacam nessa gravação, bateria e baixo cumprem seu papel com uma precisão cirúrgica.



Banda de grande personalidade, originalidade e que vem fazendo um trabalho muito sólido, sincero e verdadeiro dentro do death metal.

Esse relançamento ainda conta com 2 Bonus Tracks Ao vivo: Cosmic Cult e Forbidden.

Adquira já esse e outros grandes materiais do underground mundial, através do site da Satanath Records:


sexta-feira, 8 de junho de 2018

Resenha – Hellcraft – Apotheosis of War (Satanath Records) (2017)




Grande banda de death metal vinda diretamente da Ucrânia, com influências de grandes bandas dos anos 90 como: Sinister, Immolation, Monstrosity, Malevolent Creation, Deicide, entre outros grandes clássicos.

São 8 músicas muito bem trabalhadas, pesadas, rápidas e técnicas, com destaque para a segunda faixa “Apotheosis of War” com participação do lendário "Adrie Kloosterwaard” do Sinister.


As guitarras são bem rápidas e certeiras, sempre lembrando a receita do Malevolent Creation, Sinister, a bateria é bem evidente como era nos clássicos dessas bandas no começo dos anos 90.

O Vocal é tenebroso e o baixo preciso, dando o clima e o peso necessário desse grande trabalho, um dos melhores álbuns de 2017 com certeza.

Adquira esse e outros grandes materiais do underground mundial através do site da Satanath Records:


segunda-feira, 4 de junho de 2018

Resenha – Neter – Inferus (Satanath Records) (2018)



As influências da música egípcia e de várias culturas/épocas e regiões do oriente médio, somadas a influência e produção musical no mesmo nível de grandes nomes do metal extremo mundial como Nile, Behemoth, Vader, Hate, Azarath, Maat, Belphegor, Morbid Angel, Krisiun entre outros gigantes da brutalidade ao redor do mundo.

A produção é primorosa, clara e cristalina não devendo nada as produções das grandes bandas, dos grandes produtores e das grandes gravadoras do metal extremo.





As letras são de grande criatividade, de profundo conhecimento das crenças egípcias, do paganismo, do ocultismo, de filosofia, é uma arte muito acima da média do que é feito no underground atual.

Essa é mais uma grande banda que já está pronta para desestruturar os pilares do metal extremo em todo o mundo.

Adquira esse e outros grandes materiais do underground mundial através do site da Satanath Records:


http://www.satanath.com/

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Resenha Moribundo – Raiz Amarga (Satanath Records) (2017)




Doom/Death metal espanhol cantado espanhol muito pesado, melancólico, atmosférico para fãs de Katatonia, Tiamat, Amorphis, Sentenced, Incantation, Asphyx, entre outros grandes bandas dos anos 90.

A fúria, o ódio é mesclado com a tristeza, solidão, misantropia nesse opus cavernoso e fúnebre.



Durante a audição desse material você será surpreendido várias vezes com a musicalidade desses espanhóis, é de arrepiar tamanha criatividade e beleza nas composições, os teclados marcam presença dando uma atmosfera inigualável.

Todos os instrumentistas dessa banda são muito talentosos, versáteis e criativos, é uma belíssima peça do metal espanhol, entra pra galeria das minhas bandas preferidas desse maravilhoso país e sua incrível cena metálica.

Adquira esse e outros grandes materiais do underground mundial através do site da Satanath Records:


segunda-feira, 28 de maio de 2018

Resenha – Mouldered – Chronology of a Rotten Mind (Satanath Records) (2017)




A Colômbia com certeza é o país que mais se produz bandas com temática Horror/Gore na América Latina, acredito que boa parte das bandas mais podres desse continente venham desse país.

Você que gosta dos primeiros do Dying Fetus, de Sinister, Malevolent Creation, Monstrosity e Cannibal Corpse com o Chris Barnes no vocal, você não pode mais perder nenhum segundo da sua vida sem ouvir essa banda chamada “Mouldered”.




É muito fudido isso aqui! A banda está de parabéns, espero que em breve essa banda seja grande, que faça grandes turnês no mundo todo, pois profissionalmente falando eles já estão mais que prontos.

Eu estou verdadeiramente viciado nas guitarras desse material, lembram também as guitarras do Aborted, é tudo muito bem tocado, executado, intenso, insano, é de encher os ouvidos do fã de death metal.

Adquira esse e outros grandes materiais do underground mundial, através do site da Satanath Records:


sexta-feira, 25 de maio de 2018

Resenha – Verthebral – Regeneration (Satanath Records) (2017)




Para os fãs de Obituary, Asphyx, Death(até Spiritual Healing), Benediction, Bolt Thrower, é muito recomendável essa banda paraguaia chamada Verthebral.

Riffs insanos que quebraram o seu pescoço e irão explodir seus ouvidos, não deixando nada nem ninguém vivo, muito impiedoso, é pesado como o death metal sempre deveria ser.



Vocal cavernoso típico da América do Sul, a bateria muito semelhante a bateria do Cannibal Corpse, o que é raro de ser, geralmente a banda tem aquela batida mais tradicional típica do metal dos anos 80 ou o blast beast mais rápido e técnico possível.

O álbum é sólido, é mortífero, é das cavernas, primitivo mesmo para os ogros apreciadores da velha escola do death metal do fim dos anos 80 e começo dos anos 90.

Adquira esse e outros grandes materiais do underground mundial, através do site da Satanath Records:


quinta-feira, 24 de maio de 2018

Resenha – Necroheresy – Asylum (Satanath Records) (2017)




Uma grande surpresa vinda da Eslováquia, de uma sonoridade insanamente perversa, obscura, melancólica, misantrópica, pesada, faltam adjetivos para definir essa grande obra, um dos melhores álbuns lançados no mundo todo no ano de 2017 em minha opinião.

É uma produção musical muito clara e definida, mas sem perder o peso, a sujeira, a atmosfera necessária para se ter um grande trabalho dentro do metal extremo.



Um dos grandes desse negro artefato é um cover do glorioso Bathory, do hino “Satan my Master”, que combina muito bem com todo o clima musical dessa obra da escuridão.

Se você gosta de Death/Black/Thrash metal em suas vertentes mais podres, insanas e cavernosas, o Necroheresy é mais que recomendável.

Adquira esse e outros grandes materiais do underground mundial, através do site da Satanath Records:


quarta-feira, 23 de maio de 2018

Resenha Humanity Zero – Withered in Isolation (2017) (Satanath Records)




Grande banda de Death/Doom Metal diretamente da Grécia, para fãs dos álbuns antigos do Sentenced, Tiamat, Edge of Sanity, Amorphis, Opeth, My Dying Bride, Katatonia, Paradise Lost, entre tantas outras bandas do início dos anos 90.

O Álbum tem toda uma atmosfera fria, melancólica, fúnebre, que vemos cada vez menos na cena underground atual, mas algumas bandas simplesmente resgatam aquele sentimento nostálgico, mágico e único daquela gloriosa época.



Cada nota musical desse artefato é de um belíssimo bom gosto, as letras são verdadeiros cultos ao isolamento e a misantropia.

Todos os intrumentos são muito bem executados, com destaques para a guitarra, teclados e vocais, que dão a maior parte do clima obscuro dessa obra, bateria e baixo cumprem muito bem o seu papel de dar o ritmo cadenciado e lento de grande parte dessas belas composições.

Adquira já o sua e cópia e outros grandes materiais do underground mundial, através do site da Satanath Records:

http://www.satanath.com/

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Resenha - Conceived by Hate - Death & Beyond (2016) (Satanath Records)




O Conceived by Hate é uma banda de Death/Thrash de El Salvador que faz um som que é um mix de Death/Black e Thrash Metal dos anos 80, para fãs de Sodom, Kreator, Destruction, Assassin, Violent Force, Minotaur, Darkness e de bandas dos anos 90 como Desaster, Nifelheim e Bewitched.

É um resgate ao metal antigo, mas ao mesmo tempo tem uma cara de metal do século XXI, essa fórmula sempre funciona, o que realmente importa é que a banda é do caralho, que é um puta som, se for pra reinventar a roda, que seja algo realmente bom no fim das contas.



Um grande destaque para as passagens de teclado, são o tempero necessário e que dão uma identidade maior musical para a banda.

Prepare as cervejas, os cintos de balas e os spikes e sua jaqueta aborratada de patches para curtir essa grande banda latina.

Adquira já a sua cópia e outros grandes materiais do underground mundial através do site da Satanath Records:


http://www.satanath.com/

terça-feira, 8 de maio de 2018

Resenha - Plasmodium - Entheognosis (2016) (Satanath Records)




Você consegue imaginar uma banda de black metal no estilo das bandas escandinavas dos anos 90, só que com uma forte influência da psicodelia dos anos 60/70 e isso sair algo muito interessante de se ouvir e uma das coisas mais originais dos últimos tempos?




Pode ser difícil de imaginar essa sonoridade, mas foi uma grande surpresa pra mim, essa banda chamada Plasmodium, tente aí imagina uma mistura de Darkthrone, Mayhem, Immortal, Samael, Impaled Nazarene, Satyricon com elementos psicodélicos/progressivos de bandas como Jimi Hendrix, Blue Cheer, Black Sabbath, Pink Floyd, Cream, só que com uma atmosfera muito niilista, misantrópica e obscura.
Há muito tempo não ouvia uma banda tão original e surpreendente, diria que tem alguns elementos góticos/eletrônicos também, mas pode confiar em mim, a mistura é sensacional.
Adquira já a sua cópia e outros grandes materiais do underground mundial através do site da Satanath Records.


quarta-feira, 2 de maio de 2018

Resenha - Cult of the Horns - Chapter I - Domination (2017)



Banda de Death/Black metal profano e cheio de ódio, recomendando para fãs de Belphegor, Arkhon Infaustus, Morbid Angel, Behemoth, Immolation entre outros.


Guitarras muito pesadas típicas do death metal dos anos 90 mas com toda uma atmosfera de black metal, eu diria que esse é o encontro perfeito entre os 2 estilos.

Bateria impiedosa, com uma sonoridade que dá o clima necessário de desespero sonoro, de uma atmosfera cheia de misantropia e ódio.

Os vocais vociferam blasfêmias durante todo esse álbum, que com certeza é um dos melhores vindos da França dos últimos 10 anos, banda que tem tudo para se tornar cada vez mais no underground mundial, fique de olho no Cult of the Horns.


Adquira já a sua cópia e outros grandes materiais do underground mundial, no site da Satanath Records:








terça-feira, 24 de abril de 2018

Resenha - Dig Me no Grave - Immemorial Curse (Satanath Records) (2017)




HP Lovecraft e death metal sempre é uma combinação interessante, é uma viagem cósmica, em se tratando de death metal old school de ótima qualidade, gravação impressiona, conheça essa banda russa chamada Dig me no Grave, que é uma das melhores bandas russas da atualidade.

Com vocais típicos de bandas como Benediction, Autopsy, Sinister e outros gigantes do death metal dos anos 90, bateria precisa, baixo muito presente e guitarras muito, mas muito pesadas, do jeito que o estilo realmente deve ser.




Com algumas pitadas de Doom Metal e grindcore daquela mesma época maravilhosa o começo dos anos 90, também indicado para fãs dos trabalhos antigos de bandas como Amorphis, Katatonia, Napalm Death.

Lançamento do selo russo Satanath Records, adquira já a sua cópia e outros grandes materiais do underground mundial, através do site:

http://www.satanath.com/

Banda: Dig Me No Grave
País: Russia
Selo: Satanath Records
Ano de Lançamento: 2017
Formato: CD(Digipack)










quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Entrevista - Valgrind (Itália)

Uma das melhores, mais barulhentas, pesadas e insanas bandas italianas de todos os tempos, marcam presença aqui no blog, confira a entrevista que fizemos com o lendário Valgrind.




Saudações, muito obrigado por nos ceder essa entrevista ao nosso blog "Questões e Argumentos", é uma honra entrevista-lo, como foi o ano de 2017 para a banda Valgrind e quais são os planos para o futuro? 

Daniele: Obrigado pela entrevista, é um prazer! Foi um ano importante para a banda, tocamos alguns shows matadores, melhoramos nossas performances ao vivo e fizemos novos amigos em toda a Europa! O plano para 2018 é lançar o novo álbum em que estamos trabalhando e divulgá-lo com datas maciças em todos os lugares. Penso que será um ano emocionante.


Quais são suas principais influências musicais?

Daniele: Death Metal do começo dos anos 90 representa a nossa principal fonte de inspiração desde o primeiro dia, mas nossos ouvidos não se limitam a isso. Nós também gostamos de um clássico Heavy Metal e de Progressive Rock, e acho que nosso som reflete o fato de ter essa influência clássica em nossas veias.





Como tem sido a recepção de "Seal of Phobos" mundo afora? 

Daniele: Foi ótima, mesmo que as produções dividissem um pouco a multidão. Considerando que é apenas um Ep, estamos satisfeitos com os resultados e já vimos apenas avaliações positivas. Foi o passo certo antes do lançamento do novo álbum.


Como foi a parceria com o selo "Everlasting Spew Records"?

Daniele: Até agora foi muito boa. Ambas as partes estão fazendo o seu melhor para fazer os progressos necessários. Não posso esperar para ver o que o futuro nos aguarda.


Quais bandas vocês tem ouvido ultimamente?

Daniele: Só posso falar por mim mesmo, é claro. Apreciei muito o mais recente do Dead Congregation e Cruciamentum. Estou aguardando o novo álbum Necrophobic ansiosamente, ouvi algumas amostras e eles estão bem. Outra banda que me impressionou é Horrendous, adoro o álbum "Anareta"!


Quais são as principais inspirações para as composições das letras da banda?

Daniele: Principalmente o mundo antigo. Fatos, lendas, mitologia ... é uma fonte interminável de inspiração. No novo álbum, você vai ouvir algum material de ficção científica, escrevi uma pequena novela que compõe uma trilogia baseada em diários estranhos escritos pelo almirante Byrd. Fique atento para descobrir o que eu estou falando sobre ehehe.


Muito obrigado pela entrevista, deixe suas considerações finais e um recado para aqueles que apoiam a banda e leitores do blog, deixe seus contatos.

Daniele: Muito obrigado! Confira a nossa página do Facebook em www.facebook.com/valgrind e os links da bancamp em www.valgrindband.bandcamp.com e www.everlastingspewrecords.bandcamp.com









sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Entrevista - Pighead (Alemanha)

A Nova geração do Brutal Death Metal alemão continua revelando bandas insanamente brutais, técnicas e pesadas, confira a entrevista que fizemos com a banda Pighead.




Entrevista realizada em 2016.

Saudações, muito obrigado por nos ceder essa entrevista ao nosso blog "Questões e Argumentos", é uma honra entrevista-lo, como tem sido o ano de 2016 para a banda e quais são os planos para o futuro?

Pighead: Olá e obrigado por nos entrevistar! O ano de 2016 foi muito bom para nós. Tivemos muitos shows dentro e fora da Alemanha, fomos no nosso primeiro turnê noturna através de grandes partes da Europa (com as bandas Gorgasm, Rectal Smegma e NervoChaos), lançamos um videoclipe e também lançamos nosso último disco "Until All Flesh Decays" via Rising Nemesis Records. Nossos planos para o futuro são mais shows, turnês e compor o próximo album.


Quais são suas principais influências musicais?

Pighead: Em primeiro lugar, claro, os clássicos do Brutal Death Metal, como Suffocation, Devourment, Dying Fetus ... Essas bandas são nossas principais influências. Mas também ouvimos outros tipos de gêneros dentro do metal ou mesmo de estilos completamente diferentes que têm um certo impacto sobre nós de certa forma. Apenas ouça "The Piggrinder" ou "Corrupted" do nosso último álbum e você ouvirá algumas influências mais amplas, mesmo que essas músicas ainda sejam Brutal Death Metal.





Como tem sido a recepção de "Rotten Body Reanimation" mundo afora?

Pighead: Ele divulgou o nome do Pighead em toda a cena do Death Metal e abriu novas possibilidades, como visitar os EUA, a Rússia e muitos países europeus e alguns grandes festivais. As pessoas estão nos dando comentários muito positivos sobre esse álbum, o que é muito gratificante. O mesmo se aplica ao nosso último lançamento.


Como foi a parceria com o selo "Morbid Generation Records"?

Pighead: A MGR fez a distribuição para o nosso primeiro full-length e também lançou o segundo. Foi nosso primeiro selo e eles nos ajudaram a evoluir. Tivemos um grande momento juntos e ainda somos amigos desses caras.


Quais bandas vocês tem ouvido ultimamente?

Conor: Eu principalmente escuto o Death Metal Old School dos anos 90 como Morbid Angel, Suffocation, Malevolent Creation, Immolation e também muitas coisas obscuras e insanas como Cruciamentum, Primitive Man e Ulcerate. Além disso, eu estou no Black Metal, Grind, Hardcore / Beatdown e Irish Folk haha.


Denny: Eu gosto de ouvir tudo o que é insano e / ou brutal.  Dying Fetus, Devourment, Putrid Pile, Insidious Decrepancy/Viral Load, Heinous Killings, Abominable Putridity, Aborted, Exhumed, Plebian Grandstand, Wormrot, Insect Warfare....  ... a lista é quase infinita.


Clemens: Eu ainda ouço regularmente todos os primeiros lançamentos do Unique Leader Records e Unmatched Brutality Records e muito de Grindcore como Discordance Axis, Terrorizer e Assück. Além disso, estive na maior parte ouvindo o dissonant (Death) Metal como Pyrrhon, Coma Cluster Void, Imperial Triumphant e Cleric, John Zorn e Colin Marston, projetos relacionados e muito Fusion. Minha lista de reprodução atual varia de bandas como Abnormal Inhumane, Priapus and Noise Trail Immersion over Exivious and Spiral Architect  para iNFiNiEN, Gary Thomas, Steve Coleman e Coltrane clássico ou Sun Ra para Yugen, Birds & Buildings e volta.


Phil: Eu escuto bandas como: Thy Art Is Murder, Despiced Icon, The Black Dahlia Murder, Emmure, The Ghost Inside, Nasty and Brothers Till We Die  a maior parte do tempo.


Muito obrigado pela entrevista, deixe suas considerações finais e um recado para aqueles que apoiam a banda e leitores do blog, deixe seus contatos.

Pighead: Obrigado por nos apoiar! Se você curti Brutal Death Metal, confira o nosso último lançamento "Until All Flesh Decays", você irá gostar! Você também pode assistir nosso último vídeo musical aqui:

youtube.com/watch?v=DkZS0NbHVJk

Cheers // Pighead

facebook.com/PigheadOfficial










sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Resenha - Rebel Souls - The Force of Darkness (2017)



Uma fantástica introdução de violão com uma sombria atmosfera dá inicio a esse petardo sonoro da banda Rebel Souls, album intitulado "The Force of Darkness".

Tudo aqui é muito pesado e definido, é uma produção impecável, é extraordinária, tamanho cuidado que a banda teve nesse material.

Death Metal com fortes influências de Thrash Metal, vocais guturais poderosos e certeiros, guitarras muito afiadas e certeiras, elas destruirão seus ouvidos.

Impressionante também o trabalho de baixo e bateria, com muitas partes candenciadas e muitas partes insamente rápidas e técnicas, a sonoridade da bateria é muito boa, com uma admirável ambiência, soando muito impactante porém bastante orgânica.

Adquira a sua cópia o quanto antes! Material recomendadíssimo.

Adquira diretamente com a banda, através da página oficial da banda:

https://www.facebook.com/rebelsouls.deathmetal/

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Entrevista - VHS (Canadá)

Desde o fim dos anos 80 e começo dos anos 90, a temática de filmes de terror combinam muito com o Death Metal, com o Grindcore, bandas como Impetigo, Necrophagia e Mortician, fizeram álbuns lendários seguindo essa receita, confira a entrevista que fizemos com essa excelente banda canadense chamada VHS.



Entrevista: Realizada em 2017.

Saudações Mike, muito obrigado por nos ceder essa entrevista ao nosso blog "Questões e Argumentos", é uma honra entrevista-lo, como foi o ano de 2016 para a banda e quais são os planos para o futuro?

Mike: Ei! Obrigado por nos contactar! 2016 foi um ótimo ano para o VHS. Nós lançamos o nosso album, Screaming Mad Gore, lançamos uma tonelada de merch, muitas excelentes críticas do álbum e, em geral, foi apenas um ano muito produtivo para o VHS. Os planos imediatos para o futuro é terminar o nosso segundo album que será chamado The New Batch e será lançado pelo Rotten Roll Rex em CD algum dia neste verão. Já estivemos em negociações para alguns splits, mas nada que seja sólido neste momento.


Quais são suas principais influências musicais?

Mike: Como um todo, todos nós escutamos muita música diferente, mas as principais influências que fazem do VHS o que é, seriam: Impetigo, Mortician, Exhumed e bandas como DRI, Cryptic Slaughter etc. Necrophagia também é uma grande influência. O VHS basicamente assume a influência de todas as bandas que amei como adolescente, basicamente muito death metal, grindcore e punk.





Como tem sido a recepção de "Screaming Mad Gore" mundo afora?

Mike: A recepção foi incrível. Muitas ótimas críticas e muitas pessoas ao redor do mundo estão realmente curtindo o barulho que estamos fazendo. Eu penso especialmente quando você considera que este é o nosso álbum de estréia que realmente atingiu muitos ouvidos ao redor do mundo. Estamos satisfeitos com a recepção, não esperamos nada disso. Estamos apenas tentando nos divertir e escrever alguma música legal e, se as pessoas gostam, é apenas a cereja no topo do bolo. Vou dizer isso, no entanto, se você gostou do primeiro álbum aguarde até ouvir o álbum # 2! Eu acho que estamos gravando algumas músicas assassinas e vai surpreender muita gente!


Como tem sido a parceria com o selo "Horror Pain Gore Death Productions"?

Mike: Trabalhar com Mike e HPGD tem sido incrível. Ele só lidou com a versão digital do nosso EP e do album, mas no futuro gostaríamos de fazer uma versão física com ele. Nós derrubamos algumas ideias para que vejamos o que acontece no futuro. Mas Mike faz um excelente trabalho com HPGD. Ele libera uma tonelada de coisas incríveis e trabalha duro para suas bandas. Ele fez um excelente trabalho ajudando a espalhar o nome do VHS ao redor do underground e tem sido muito solidário.


Quais bandas você tem ouvido ultimamente?

Mike: Muitas coisas agora são realmente excelentes. Scorched, Brain Spasm, Human Compost, Smut, Cemetery Lust, Graveyard Ghoul, Cropsy Maniac, Sewercide, Elbow Deep, Pink Mass, Coffin Dust, Organ Trail e muitas outras, Há tanta música assassina acontecendo agora mesmo! Além disso, eu escuto muitas coisas antigas. Eu sempre vou ter pelo menos um ou dois álbuns do Blood Freak no meu carro em qualquer momento.


Quais são as principais inspirações para as composições das letras da banda?

Mike: Nossas letras são sobre filmes de terror ou clichês de horror. Eles são definitivamente um pouco de coisas que nós gostamos e procuramos nos divertir com a letra. A maioria das bandas de metal são muito sérias, mas nós definitivamente gostamos de se divertir e isso também vem nas letras. Isso não quer dizer que não demoro tempo e escrevo letras de que tenho orgulho, só acontecem de filmes de terror "cheesy" para a maior parte das vezes!


Muito obrigado pela entrevista, deixe suas considerações finais e um recado para aqueles que apoiam a banda e leitores do blog, deixe seus contatos.

Mike: Muito obrigado pela entrevista, somos muito gratos! Se alguém quiser entrar em contato conosco ou nos seguir, os links estão abaixo! Felicidades!

www.facebook.com/vhsthunderbay
http://vhshorror.bandcamp.com/
Email: thebeyond13@gmail.com